Sentença
JusTutor
JusTutor - Sentenças inéditas e exclusivas do site - 2016
Sentença Cível

clique aqui e responda esta questão
Enunciado Nº 003930

Leia o relatório abaixo com atenção, presumindo a veracidade de todas as alegações feitas. Limite-se à fundamentação e à parte dispositiva. Enfrente todas as questões explícita e implicitamente propostas, mencionando na fundamentação todos os artigos eventualmente pertinentes, cuja correta citação será levada em consideração pela banca. Lembre-se de mencionar na fundamentação todos os artigos eventualmente pertinentes. AS QUESTÕES JURÍDICAS SUSCITADAS DEVERÃO SER SOLUCIONADAS, AINDA QUE O CANDIDATO DECIDA EXTINGUIR O PROCESSO SEM RESOLUÇÃO DO MÉRITO OU VENHA A ACOLHER EVENTUAIS PRELIMINARES OU PREJUDICIAIS.




ATENÇÃO: OS ALUNOS QUE REDIGIREM A SENTENÇA NESTE ESPAÇO DO JUSTUTOR RECEBERÃO GRATUITAMENTE, NO E-MAIL CADASTRADO NO SITE, O GABARITO COMPLETO DA ATIVIDADE.




RELATÓRIO

Trata-se de ação por improbidade administrativa movida pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro contra Afonso Nogueira e Maristela Vidigal. Narra o MP/RJ que Afonso é servidor público efetivo do Estado e participou da comissão responsável por cuidar do concurso para provimento de cargos de professor da rede estadual de ensino, conforme documentação anexa. Segundo a acusação, o réu recebeu uma oferta, à época, de pagamento de três mil reais para que fornecesse para Maristela Vidigal cópia antecipada da prova que seria aplicada, tratativa essa que foi levada a cabo, tendo Maristela recebido a prova e feito o pagamento a Afonso. Por conta desse fato, o MP/RJ pede a condenação dos réus nas penas da Lei nº 8.429/1992. Juntou cópia de processo administrativo disciplinar contra Afonso Nogueira.

Foi determinada pelo juízo a intimação dos réus para o oferecimento de defesa prévia, sendo que apenas Maristela apresentou suas razões.

Recebida a petição inicial, os réus foram intimados para apresentar contestação. Afonso Nogueira arguiu, preliminarmente, a necessidade de formação de litisconsórcio passivo necessário com o Estado do Rio de Janeiro, tendo em vista que o concurso foi realizado em benefício do ente estatal. Afirmou que o feito padece de nulidade, pois foi certificada a sua intimação para apresentar a defesa prévia, mas o ato de intimação em si não foi praticado, tendo havido um erro do servidor que atestou a intimação, conforme fica evidente na leitura dos autos. Assim, requer a reabertura de prazo para apresentação da sua defesa prévia, sob pena de nulidade do feito. Alegou, em prejudicial ao mérito, a ocorrência da prescrição, visto que o concurso foi aberto há sete anos e dois meses, tendo se encerrado há seis anos e oito meses, conforme comprovação juntada aos autos. No mérito, afirmou que desconhece Maristela e que o órgão acusador não apresentou provas dos fatos alegados. Pediu, pois, o acolhimento da preliminar, o reconhecimento da prescrição ou, se superada essa alegação, a sua absolvição. Maristela Vidigal, por sua vez, afirmou que a pretensão do MP/RJ está prescrita, vez que, por não ser servidora pública, é aplicável o prazo trienal do Código Civil (art. 206, § 3º, V). No mérito, afirma que desconhece Afonso e que a acusação não tem qualquer lastro probatório. Diz que, apesar de aprovada no concurso, não chegou a tomar posse no cargo, nunca tendo exercido qualquer função ou cargo público.

Decisão postergou a análise das preliminares e questões prejudiciais para o momento da prolação da sentença.

Em réplica, o MP/RJ afirmou que não há que se falar em prescrição no caso concreto, posto que, conforme documentos juntados aos autos: a) foi aberto processo administrativo disciplinar (PAD) contra Afonso Nogueira três anos após os fatos; b) o PAD tramitou por dois anos por protelação do próprio servidor; c) houve aplicação da pena de demissão no PAD; d) o réu ajuizou ação para anular sua pena de demissão, mas não obteve êxito, tendo, inclusive, ocorrido o trânsito em julgado. Logo, não há que se falar em qualquer exaurimento de lapso prescricional. Defendeu também a ausência de nulidade por conta da falha na intimação da defesa prévia e pediu a quebra do sigilo bancário do réu no período de realização do concurso, pois o réu nem sequer se dignou a dizer qual prejuízo sofreu por conta disso. Quanto à contestação de Maristela, afirmou que não se aplica o Código Civil para a prescrição e que as regras da Lei nº 8.429/1992 afastam a tese defensiva. Pediu, para comprovar ambas as acusações, a realização de audiência de instrução.

Deferida a quebra do sigilo bancário, foram juntados extratos aos autos, havendo registro de transferência bancária no valor de R$ 3.000,00 de uma conta de Juarez Vidigal para a conta de Afonso Nogueira.

Em audiência, foram ouvidas duas testemunhas. Elen Ribeiro afirmou, em síntese, que era vizinha de Maristela e que Maristela disse, à época do concurso, que conseguira descobrir tudo o que iria ser cobrado na prova. A testemunha afirmou que não viu a ré com o caderno de provas, tendo apenas ouvido essa frase. Já Amanda Marques afirmou que, à época, era cabeleireira de Maristela e que, em um dia em que estava atendendo a ré na casa dela, presenciou uma visita de Afonso, não sabendo dizer do que conversaram, mas apenas que, após a saída de Afonso, Maristela se mostrou radiante e disse que tinha certeza de que seria aprovada no concurso. Disse ainda que viu Maristela receber um envelope de Afonso, mas que não sabe dizer qual era o conteúdo.

Em alegações finais, o Ministério Público disse que as provas eram suficientes para atestar a ocorrência do ato de improbidade. Argumentou que Juarez Vidigal é marido de Maristela, conforme certidão de casamento juntada aos autos. Afirmou ainda que a ré obteve 93% de acertos na prova do referido concurso, sendo que, conforme documentos juntados com a inicial, ela havia feito outra prova de concurso para professor na semana anterior à do concurso em questão, tendo obtido apenas 32% de acerto. Como as provas tiveram o mesmo grau de dificuldade, o que se atesta pelas notas médias dos candidatos e pelo fato de cobrarem o mesmo conteúdo, resta evidente que não havia como a ré apresentar aumento de seu conhecimento de forma tão elevada em tão pouco tempo. Afonso Nogueira reafirmou sua defesa e pugnou pela nulidade da quebra de sigilo bancário, o que já havia feito em audiência, primeiro momento em que se manifestou nos autos após o deferimento do pedido do MP. Afirmou que o sigilo bancário só pode ser quebrado para apuração de crimes, não de atos de improbidade administrativa. Maristela Vidigal, por sua vez, deixou de apresentar alegações finais.

É o relatório.

Decido.



ATENÇÃO: OS ALUNOS QUE REDIGIREM A SENTENÇA NESTE ESPAÇO DO JUSTUTOR RECEBERÃO GRATUITAMENTE, NO E-MAIL CADASTRADO NO SITE, O GABARITO COMPLETO DA ATIVIDADE.




Resposta Nº 005978 por MHSFN


De início, analiso as preliminares suscitada pela defesa do réu Afonso Nogueira.

 

Alega o réu que o feito padece de nulidade, pela ausência do ato de intimação da defesa prévia. Ocorre que o STJ assentou que a ausência da notificação do réu para a defesa prévia, prevista no art. 17, § 7º, da Lei de Improbidade Administrativa, só acarreta nulidade processual se houver comprovado prejuízo (pas de nullité sans grief), à luz do que dispõe o artigo 282, §1º do CPC. Rejeito a preliminar

 

Alega o réu, também, a necessidade de formação de litisconsórcio passivo necessário com o Estado do Rio de Janeiro. Ocorre que a Lei 8.429/92, conforme se verifica no seu artigo 1º, objetiva a punição de agentes públicos ou terceiros contra a Administração Pública, a qual, inclusive, tem legitimidade ativa para propor a ação de Improbidade Administrativa. Rejeito, pois, a preliminar.

 

Por fim, em alegações finais, pugnou o réu pela nulidade da quebra de seu sigilo bancário. Da mesma forme, o STJ assentou que, havendo indícios de improbidade administrativa, é possível a quebra do sigilo bancário. Afasto a preliminar arguida.

 

Presentes as condições da ação e os pressupostos processuais, passo ao exame do mérito.

 

Antes de adentrar ao mérito propriamente dito, impõe-se a análise de questões prejudiciais suscitadas pelos réus.

 

O réu Afonso Nogueira alega ocorrência de prescrição, dado o transcurso de sete anos e dois meses da abertura do certame e de seis anos e oito meses de seu encerramento. Contudo, considerando ser o réu, à época dos fatos, servidor público efetivo do Estado do rio de janeiro, aplicável o artigo 23, II da Lei 8.429/92, o qual remete aos Decretos Estaduais do Estado do Rio de Janeiro 220/75 e 2.479 e, ainda, à Lei Estadual 1.698/90, donde se extrai que “a falta também prevista como crime na lei penal prescreverá juntamente com este”. Considerando que a conduta do réu, descrita na peça inicial se amolda ao crime de corrupção passiva (artigo 317 do CP), com pena máxima de doze anos, a prescrição para o ato improbo apontado, em conformidade com o disposto no artigo 109, II, do CP é de 16 anos. Afastada, pois, a prejudicial de mérito.

 

Por sua vez, a ré Maristela Nogueira alega a prescrição da pretensão do MP/RJ, pugnando a aplicação da prescrição trienal prevista no CC, pois não é servidora pública. Ocorre que o STJ assentou, inclusive em matéria sumulada (Sumula 634), que ao particular se aplica o mesmo regime prescricional previsto na lei de improbidade administrativa para os agentes públicos. Rejeito a prejudicial.

 

Superadas as prejudiciais, passo ao mérito propriamente dito.

 

Cuida-se de ação por improbidade administra proposta pelo MP em que se busca a responsabilização dos réus por enriquecimento ilícito e afronta aos princípios da administração.

 

O caso se submete ao regime jurídico da Lei 8.429/94 que, com supedâneo nos artigos 37, caput e inciso 4º do inciso III do mesmo artigo da CRFB/88, dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos em face de condutas improbas contra a Administração Pública.

 

A controvérsia cinge-se a se as condutas dos réus de amoldam ao disposto nos artigos 9º, 10 ou 11 do referido diploma legal.

 

Assiste razão ao Ministério Público, pois incontroversa a existência do ato improbo, bem como que os réus foram seus autores.

 

Os extratos bancários juntados aos autos comprovam a transferência de R$ 3.000,00 da conta de Juarez Vidigal – esposo da ré Maristela, conforme certidão de casamento juntada pelo MP – para a conta de Afonso Nogueira.

 

Ouvida em juízo, a testemunha Elen Ribeiro, afirmou que era vizinha de Maristela e que a ré disse, à época do concurso, que conseguira descobrir tudo o que iria ser cobrado na prova. Da mesma forma, a testemunha Amanda Marques afirmou que era, à época, cabeleireira de Maristela e que, em um dia em que estava atendendo a ré na casa dela, presenciou uma visita de Afonso, não sabendo dizer do que conversaram, mas apenas que, após a saída de Afonso, Maristela se mostrou radiante e disse que tinha certeza de que seria aprovada no concurso. Disse ainda que viu Maristela receber um envelope de Afonso, mas que não sabe dizer qual era o conteúdo. Corroboram com a prova oral produzida o fato de que a ré havia feito, há uma semana, uma prova de concurso similar, tendo obtido apenas 32% de acertos, em contraposição aos 93% ora obtidos.

 

Provado, pois, que Afonso, valendo-se do cargo que exercia e como membro da comissão de concurso, forneceu para Maristela, de forma antecipada, cópia da prova a ser aplicada, tendo o conluio se efetivado, afrontando o disposto nos artigos 9º e 11º, IV da LIA.

 

Nas respectivas defesas, os réus afirmaram não se conhecerem e que não há provas dos fatos alegados. Entretanto, o acervo probatório carreado aos autos é robusto em sentido contrário, inclusive no tocante a que os réus se encontraram pessoalmente, na casa de Maristela, como se depreende da oitiva da testemunha Amanda.

 

Por sua vez, o fato de não ter tomado posse no cargo – tese defensiva levantada pela ré Maristela – não afasta a violação ao princípio da moralidade administrativa, bem como o enriquecimento ilícito do então servidor, a partir de quantia paga pela ré para obter vantagem ilícita, consistente em obter , de forma antecipada, prova de concurso público.

 

Em que pese tratar-se de conduta reprovável, os valores envolvidos no ato improbo são módicos (R$ 3.000), não tendo havido dano ao erário, bem como ao certame em si, já que a ré não tomou posse no cargo. Assim, nos termos do parágrafo único do artigo 12 da Lei 8.429/92, considerando o proveito patrimonial e o dano causado, as sanções previstas devem ser aplicadas para ambos os réus nos seus patamares mínimos.

 

Diante do exposto, resolvo o mérito, nos termos do artigo 487, I, dando os réus como incursos nos artigos 9º caput e 11, IV da Lei 8.429/92, acolhendo o pedido do MP para: (i) condenar o réu Afonso Nogueira à perda do valor de R$ 3.000,00 (corrigido monetariamente pelo INPC, e com juros de 1% a.m. desde de o ato improbo) acrescido ilicitamente ao patrimônio ao Estado do Rio de Janeiro (Artigo 18 da LIA), perda da função pública, suspensão dos direitos políticos por 8 anos, multa civil no valor de R$ 3.000,00 e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios por 10 anos e (ii) condenar a ré Maristela à suspensão dos direitos políticos por 8 anos, multa civil no valor de R$ 3.000,00 e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios por 10 anos.

 

Custas pelos réus à proporção de 50%.

 

Em simetria ao artigo 18 da Lei 7.347/85 deixo de condenar os réus em honorários advocatícios.

 

Com o trânsito em julgado, comunique-se ao TRE, à pessoa jurídica que porventura o réu Afonso esteja vinculado, ao Estado do Rio de Janeiro e ao CNJ para fins de lançamento no cadastro nacional de condenados por improbidade administrativa.

 

Por fim, não havendo requerimentos, arquivem-se com baixa,

 

Publique-se. Registre-se. Intimem-se.

Rio de Janeiro, data

Juiz de Direito Substituo

Elaborar Resposta

Veja as respostas já elaboradas para este enunciado

Elabore a sua resposta agora e aumente as chances de aprovação!


Faça seu login ou cadastre-se no site para começar a sua resposta.


É gratuito!


0 Comentários


Seja o primeiro a comentar

Pessoas que mais responderam

01º Jack Bauer
422 respostas
02º MAF
358 respostas
03º Aline Fleury Barreto
196 respostas
04º Carolina
155 respostas
05º Sniper
134 respostas
06º SANCHITOS
127 respostas
07º amafi
105 respostas
08º Guilherme
95 respostas
09º Gabriel Henrique
88 respostas
10º rsoares
87 respostas
11º arthur dos santos brito
84 respostas
12º Ailton Weller
79 respostas

Ranking Geral

01º Jack Bauer
3374 pts
02º MAF
3086 pts
04º Aline Fleury Barreto
1706 pts
05º SANCHITOS
1403 pts
06º Carolina
1176 pts
07º Guilherme
1079 pts
08º amafi
998 pts
09º Sniper
935 pts
10º Natalia S H
888 pts
11º Eric Márcio Fantin
789 pts
Faça sua busca detalhadamente

QUESTÃO

PEÇA

SENTENÇA

Mostrar Apenas:
https://cdnjs.cloudflare.com/ajax/libs/toastr.js/latest/toastr.min.js